27 de abr de 2016

Sobre só encontrar a felicidade em namoradxs



Conversando com alguns familiares, uma pessoa me disse: já está na hora de arranjar um namorado, viu? Outro dia conversando com amigas, chegamos ao mesmo assunto, e hoje decidi escrever sobre isso. 

Muita gente tem o costume(errado, por sinal) de achar que só se pode ser feliz se estiver com alguém. Só aqueles casaizinhos melosos de filme, ou a menina que encontra seu príncipe encantado montado num cavalo branco, ou ainda o casal apaixonado que passeia de mãos dadas pela praça podem ser felizes de verdade.

Até onde sei, minha alegria não pode, nem deve, depender de ninguém, só de mim mesma. Ou alguém encontrou o tutorial secreto da felicidade eterna e lá estava escrito: arranje um namorado? Se alguém encontrou, senta aqui, vamos conversar, porquê tem alguma coisa errada aí. Nossa felicidade não depende de ninguém a não ser nós mesmos, um namorado/ uma namorada não vai ser resolver todos nossos problemas e receios num passe de mágica.

Não estou dizendo que todos devem passar a vida inteira sozinhos, mas sim que não devemos deixar uma coisa tão importante, a nossa felicidade, depender de outra pessoa. Sem falar em outro detalhe: eu não vou achar o primeiro que aparecer disponível e transformá-lo em meu namorado; eu particularmente acredito que quando tiver que acontecer, vai acontecer com a pessoa certa, não vou ficar com qualquer um só para poder dizer 'estou em um relacionamento sério'. Um relacionamento assim implica uma série de coisas que não são tão simples quanto podem parecer ser, e eu não irei depender de ninguém para ser feliz. Quando aparecer a pessoa certa, aí sim, eu terei um namorado, rs. 

Resumindo: se você está namorando, e está feliz, ótimo! Se você é solteiro e também está feliz, ótimo também! Só não busque arranjar um namorado ou fique com o primeiro disponível só porquê a sociedade acha que você precisa disso para estar feliz. Sua felicidade só pode depender de você mesmo, e mais ninguém!

25 de abr de 2016

Rio de lágrimas...

Fonte: Reprodução WeHeartIt

Sabe aquele cartãozinho que você deixou um dia em cima da minha mesa da escola, dizendo que nunca iria me deixar e que nós éramos destinados um ao outro? Pois é, ele ainda está guardado. Na gaveta, debaixo do espelho. Um lugar perfeito para guarda-lo, já que o vazio e a escuridão da gaveta combinaram muito com o vazio das suas promessas. Eu já pensei, refleti, prometi para mim mesma, mas nada adianta. Mesmo sabendo que nessa nossa história você é o vilão, mesmo tendo consciência de todos seus atos imperdoáveis, minha mente, ou melhor, meu coração, insiste em te imaginar como o mocinho, o herói. O herói que me ajuda, que me faz rir e que sempre aparece para salvar meu dia. O herói que sempre vai estar lá, onde eu precisar, que vai fazer todos os problemas sumirem apenas com um abraço. O herói que você nunca vai ser.

Eu estou caindo, afundando em um rio formado por todas as lágrimas que derramei por você, a correnteza tenta me levar a todo custo, enquanto você apenas observa com um riso de desdém. Estou cansada disso. Não vou fingir que não sinto sua falta, que não estou sofrendo, ou que já não sinto mais nada. Mas, já que há um mar presente em meus olhos, que todo esse choro sirva para me dar forças.

Eu mergulhei fundo nessas emoções, afundei de cabeça e me machuquei feio, me apeguei tanto a ilusão de que eu significava algo em seu coração, mas eu fui apenas uma citação no livro daqueles que passaram por você. E hoje eu poderia culpar você por tudo, mas tenho que te dizer que apesar de todas as dores, você me fez crescer, e, por favor, não haja como se esse fosse seu grande feito, destruir minha vida para isso não faz o menor sentido.

Entendo que por muito tempo eu fui cega, vi você como meu herói soldado, pronto para acabar com minhas angústias, quando, na verdade, você foi a causa da maioria delas. Eu sei que não dá pra fingir que não vou sentir sua falta, todo dia de manhã e seu cheiro espalhado pelo vento, não sei mentir que não vi um mar em seu olhar, mas eu fui tentar mergulhar e olha no que deu?!Então eu entendi que o amor te traz flores, mas também constrói seu caixão, então o melhor a fazer é deixar esse amor afundar, enquanto minha esperança flutua e quem sabe eu tento recomeçar. Seu cartãozinho ainda vai ficar aqui, no lugar de sempre, e vou esperar o dia em que não vai doer tanto, o rio de lágrimas vai secando aos poucos assim como meu coração vai colando seus pedaços, as flores que você mandou vão murchar e o tempo vai curar tudo.



Esse texto faz parte do projeto 1000 músicas para escrever sobre, baseado na música River of Tears- Alessia Cara.  Hoje eu escrevi em parceria com a Jennyfer Aguillar, do blog Little Wonders. Se você quiser ver outro texto que escrevemos juntas, é só clicar aqui. 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Dois Jeitos de Ser - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Daiane Santos ¬ Vitória Alves.
Tecnologia do Blogger.